One thought on “Granta Portugal 8: Medo”

  1. Os meus textos preferidos deste número 8 da Granta são os de Helena Vasconcelos e de Valério Romão, que partilham o registo memorialístico, sendo o de HV ambientado à Índia portuguesa, onde passou alguns anos da infância. Soberbo. Também gostei imenso do texto de Rachel Cusk, que se debruça sobre as complexas, e por vezes atemorizantes, relações familiares.Vários textos desta edição dedicada ao 'Medo' referem-se a reportagens de guerra, tendo por cenários, em especial, os conflit [...]

  2. A diferença qualitativa entre os vários textos é abissal.Alguns deles são simplesmente cretinos e presunçosos, estragando verdadeiramente o bom travo com que se fica de coisas boas (Rachel Cusk, Valério Romão, Paulo Moura, Helena Vasconcelos, Gustavo Pacheco).Pessoalmente tenho anticorpos relativamente às designadas «reportagens de guerra», que raras vezes vejo tratadas sem vampirismos de auto engrandecimentos feitos por gente que, bem vista de perto, usa o sofrimento dos outros como p [...]

  3. A abordagem dos diferentes autores ao tema deste número difere muito, umas gostei bastante (Valério Romão, Rachel Cusk, Helena Vasconcelos, Robert MacFarlane, Gustavo Pacheco e Paulo Moura), outras nem por isso (o texto de António Gregório é uma tortura!).

  4. Comecei pela história de Robert MacFarlane sem fazer ideia do tema, para além do título desta edição da revista (Medo) e foi uma boa surpresa: 'Caminhar na Cisjordânia'. Intercalei a leitura de autores portugueses e estrangeiros. A maioria são histórias sobre cenários de guerra, mas, com excepção do texto de Robert MacFarlane, gostei de outras abordagens ao tema da revista. Dos portugueses, gostei muito de Valério Romão (o meu preferido), de Helena Vasconcelos e de António Gregóri [...]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *